domingo, 29 de Junho de 2008

Diferenças entre a análise qualitativa e quantitativa

Em posts anteriores, referentes à abordagem aos paradigmas qualitativo e qualitativo e aos métodos por eles empregues, já havíamos referenciado as diferenças existentes entre a análise quantitativa e a análise qualitativa, tal como também já tínhamos descortinado os benefícios, para o investigador, do uso combinado dos dois métodos (pese embora a sua natureza completamente diferente). Ao questionarmos a preferência por uma das duas técnicas de análise de dados, devemos ter em conta a fiabilidade e a validade que conferem ao processo de investigação. Assim, torna-se importante referir as diferenças que a esse nível se operam entre as duas técnicas.
A investigação quantitativa, como já vimos, actua sobre os níveis de realidade e tem como objectivo básico trazer à luz dados, indicadores e tendências observáveis. A investigação qualitativa, pelo contrário, trabalha com valores, com crenças, representações, hábitos, atitudes e opiniões.
Os métodos quantitativos embora débeis em termos de validade interna (mediram o que desejavam?) são no entanto fortes em termos de validade externa, no sentido em que os resultados podem ser generalizáveis para o conjunto da comunidade. Pelo contrário, os métodos qualitativos têm forte validade interna, mas são débeis na perspectiva de generalizar os resultados a toda a comunidade.
Daí voltar à ideia de combinação entre os dois métodos. Através dessa combinação poderemos garantir um razoável grau de validação externa e interna. O que importa é ter sempre bem presente a medida em que cada um dos métodos se torna útil para a investigação empírica que pretendemos realizar.
Até estar bem definido o tipo de problema a pesquisar e serem aplicadas as técnicas sobre o objecto de pesquisa, nenhuma delas se deverá afigurar como imprópria ou desadequada.

Sem comentários:

Bem Vindo(a)

Este espaço, aberto a todos os colegas e Professores do Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009, da Universidade Aberta, pretende consignar temas e reflexões sobre vivências, experiências e novas aprendizagens, no âmbito da unidade curricular de Investigação Educacional.